segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Aplicativo promete agilizar a identificação de focos do Aedes em Salvador





Ferramenta tecnológica de rápido e fácil acesso, capaz de registrar focos do Aedes aegypti, além de notificar em tempo real os casos suspeitos de dengue, chikungunya e zika vírus. Esse é o objetivo aplicativo Mosquito Zero, desenvolvido pelo gerente em pesquisa do Núcleo de Tecnologia da Informação da Secretaria Municipal da Saúde, Alex Sandro Correia.
O dispositivo que estará disponível em duas plataformas - através do app com compatibilidade para Android e IOS, bem como, um portal na internet -, promete ser mais uma importante arma no enfrentamento das arboviroses. "Com um smartfone ou tablet qualquer cidadão poderá tirar uma foto de um possível foco do mosquito e enviar para nossa central de monitoramento. O sistema operacional registrará as coordenadas geográficas do local e as informações coletadas servirão como subsídio para nortear as ações contingência do vetor", explicou Alex Sandro Correia.
Além de acelerar a identificação dos focos do mosquito, o software também possibilitará o registro online dos casos suspeitos de dengue, chikungunya e zika, gerando um mapa da situação das patologias em cada localidade do município. "Teremos uma tela exclusiva para o usuário preencher os dados pessoais e sinalizar o quadro clínico. De acordo com os sintomas especificados, o sistema gera automaticamente uma estimativa de qual das arboviroses o cidadão está acometido, bem como, sinalizará quais os postos de saúde da rede pública da região que o mesmo deverá procurar para confirmar o diagnóstico" esclareceu o técnico responsável pelo desenvolvimento do projeto.
Em 2014, o aplicativo foi vencedor do concurso Ideias Inovadoras da FAPESB, o único no Brasil aprovado no chamamento público do Ministério da Saúde para financiamento. Desde então, o projeto aguarda o envio dos recursos do Ministério da Saúde para que o mesmo possa ser efetivado. "O Mosquito Zero foi o único programa no país selecionado pelo Governo Federal para receber recursos que viabilizassem o funcionamento. O valor disponibilizado (menos de 200 mil reais) já está empenhado há mais de quatro meses e não foi repassado ainda por conta de um problema no sistema de pagamento do Ministério [da Saúde] que foi estabilizado na semana passada", declarou Correia, afirmando ainda que a expectativa é que o aplicativo esteja disponível para utilização em até 90 dias após a liberação do recurso.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

REVISTA ENSAIOS & DIÁLOGOS EM SAÚDE COLETIVA

Faz-se necessário, como nunca, a liberdade de investigação, pois vivemos uma época de crise, imersos em dúvida, na desconfiança quanto a nossos representantes e observando uma concentração inaudita de riqueza e de poder.
Os velhos modos de existir, os nossos discursos e mesmo as nossas instituições reformadas recentemente não conseguem assegurar a redução das imensas desigualdades e nem dão conta da promessa de um futuro de democracia e de convivência pacífica.
Para refundar a sociabilidade, não há outra saída fora do engajamento reflexivo. Com esta nova publicação, a Abrasco pretende oferecer, commodéstia, um espaço para reflexões sobre incertezas e colaborar para a reconstrução de modos de conviver solidários, para a reinvenção da democracia e para repensar o papel da Saúde Coletiva no contexto atual.
Ensaios & Diálogos em Saúde Coletiva é um espaço a ser ocupado por pesquisadores, por profissionais de saúde e por todas as pessoas preocupadas com a saúde, com a ciência, com a formação, com o bem-estar, com a justiça social e com a felicidade.
Neste primeiro número, as contribuições da Abrasco para a 15ª Conferência Nacional de Saúde, com participação de Luis Eugenio Souza; Tatiana Vargas; Maurício Barreto; Marcelo Firpo; Jandira Maciel; Letícia Coelho; Fernando Carneiro; Nelsão Santos; José Sestelo; Cesar Victora; Jairnilson Paim, Márcio Pochmann, Pedro Célio Borges; André Dantas; Inês Rugani; Maria Lúcia Werneck; Luiza Garnelo; Paulo Capel Narvai; Luis Castiel e Marco Akerman. Entrevistas com Guilherme Werneck e Arthur Chioro. Ilustrações de Caco Xavier. Participação da ONG mexicana El Poder del Consumidor.

Ocorreu um erro neste gadget